Pastor pega 15 anos de prisão por estupro

Notícias

064 leituras | 000 comentário | Notícias | Direito e Justiça

sexta-feira, 13 de setembro de 2013 Do G1,Rio

Pastor Marcos Pereira pega 15 anos de prisão por estupro

COMPARTILHE
 

O pastos Marcos Pereira da Silva, líder da Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias, foi condenado a 15 anos de prisão por estupro pela 2ª Vara Criminal de São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Pastor Marcos Pereira é acusado de estupro no Rio e foi levado para o Complexo Penitenciário de Bangu (Foto: Seap/Divulgação)
Pastor Marcos Pereira é acusado de estupro
no Rio e foi levado para o Complexo
Penitenciário de Bangu (Foto: Seap/Divulgação)

Segundo os autos do processo, o crime foi cometido, no final de 2006, contra uma fiel nas dependências da igreja. “As testemunhas ouvidas relatam com firmeza como o acusado é uma pessoa manipuladora, fria, só pensa em si, utilizando-se das pessoas para satisfazer seus instintos mais primitivos e de forma promíscua, utiliza da boa fé das pessoas para enganá-las", diz a juíza Ana Helena Mota Lima Vale na sentença.

Acusado de estuprar fiéis
Quatro testemunhas do caso do pastor Marcos Pereira afirmaram ter sofrido abuso sexual por parte do religioso em depoimento na 2ª Vara Criminal, em São João de Meriti, em julho.  Uma fiel, em depoimento de 2h30, confirmou os fatos afirmados na denúncia e disse que tinha medo de deixar a igreja e ser morta a mando dele.

O pastor, que está preso desde o dia 8 de maio, é acusado pelo Ministério Público estadual por dois crimes de estupro e por coação. Ele está no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste.

O religioso teve a prisão preventiva decretada pelos dois juízos: no dia 2 de maio, pela 2ª Vara Criminal, e, no dia 8 de maio, pela 1ª Vara Criminal.

Envolvimento com tráfico
A Promotoria de Investigação Penal do Ministério Público do Rio de Janeirodenunciou o traficante Marcos dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, e o pastor Marcos Pereira, da Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias, por associação ao tráfico.

Segundo a denúncia, Marcinho VP e o pastor Marcos se associaram para a prática do tráfico e arquitetaram um plano criminoso no qual ambos se utilizariam da estrutura da igreja fundada pelo pastor. O texto diz ainda que em um primeiro momento o pastor Marcos agia como um simples "pombo-correio", levando ordens dos chefes do tráfico que estavam presos para as comunidades onde estes atuavam.

g1 Visualizar Impressão