Sites Grátis no Comunidades.net Criar um Site Grátis Fantástico
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.9/5 (92 votos)




ONLINE
2





Partilhe esta Página



 

Previsão do tempo

 


O péssimo exemplo de Neymar Jr.
O péssimo exemplo de Neymar Jr.

Notícia

Esporte

05/06/2015 07:17 h

O péssimo exemplo de Neymar Jr.

 

A edição da revista Época que chega hoje às bancas revela, entre uma e outra maracutaia no campo fértil da cartolagem futebolística, que o jogador do Barcelona Neymar Jr. e seu pai entraram numa lista de possíveis alvos da Receita Federal brasileira. A principal suspeita está na transação de transferência de Neymar Jr., do Santos para o Barcelona. De acordo com a reportagem, há suspeitas de que dois terços da transação tenham passado ao largo da Receita. Em vez de € 86 milhões, Neymar Jr., de acordo com uma investigação do Ministério Público da Espanha, custou ao Barça € 284 milhões. O escândalo já fez ceifou cabeças na Espanha e agora chega ao Brasil.

Para quem acompanha as idas e vindas de Neymar Jr., não se trata exatamente de uma surpresa. Sob o discurso de marqueteiros competentíssimos, suas atitudes há muito já eram condenáveis. Em 2011, na final do mundial de clubes da Fifa, ele entrou com a camisa do Santos para jogar contra o Barcelona. O resultado, para quem não se lembra, foi 4 a 0 para o Barça. Na ocasião, ele já havia acertado sua transferência para o clube espanhol e, sem o conhecimento dos dirigentes do Santos, a empresa de seu pai já embolsara € 10 milhões pela transação. Em suma: ele recebeu dinheiro de um clube contra o qual disputaria uma final. Independentemente do que a lei afirme a respeito ou dos escrúpulos morais que advogados bem pagos certamente haverão de arranjar para justificar o fato, trata-se de um escândalo. Qualquer ser humano que tenha uma noção básica de certo e errado sabe que, em tal situação, o mínimo a fazer era se declarar impedido de entrar em campo. Ainda assim, Neymar Jr. jogou, perdeu o jogo, foi para o Barça (onde protagonizou várias conquistas), jogou pelo Brasil na Copa, fracassou com a seleção – e até hoje é considerado um herói da torcida.

Este é o nosso herói? Alguém que recebe dinheiro do time contra o qual vai jogar?

Esportistas são exemplos para as crianças, para os adultos e para a nação. Importa não apenas o que fazem em campo, mas sobretudo como se comportam fora dele. Embora sejam tão humanos quanto qualquer um de nós, portanto sujeitos a erros e desvios de conduta, eles têm um dever adicional, além de vencer as competições: devem servir de inspiração.

Quando o escândalo de Neymar Jr. veio à tona, no início de 2014, escrevi na própria Época um editorial sobre o assunto. Nele, mencionava vários atletas que souberam cumprir esse papel inspirador, pelo exemplo moral. Nos Estados Unidos, o jogador de beisebol Joe DiMaggio, o boxeador Mohammed Ali ou o jogador de basquete Magic Johnson. No Brasil, entre tantos outros, o primeiro nome que vem à mente é o rei Pelé. Todos inspiram não apenas por vencer, mas pela forma como vencem. Nas palavras do repórter Gay Talese, no memorável perfil que escreveu de Joe DiMaggio: “Um imortal, os jornalistas esportivos o chamavam, e a outros como ele, raramente sugerindo que tais heróis possam estar inclinados aos males do comum dos mortais, farreando, bebendo, tramando. Sugerir isso destruiria o mito, desiludiria meninos, deixaria furiosos os donos dos times, para quem o beisebol é um negócio. Então, o herói do beisebol precisa sempre desempenhar seu papel, precisa preservar o mito, e ninguém faz isso melhor que DiMaggio”.

Neymar Jr. e outros futebolistas brasileiros, que parecem se achar tão espertos e não ver problema algum em enganar o torcedor ou a Receita Federal, têm muito a aprender com o exemplo de DiMaggio. O brasileiro médio, que considera Neymar um herói, também. Sonegar impostos ou entrar em campo tendo recebido dinheiro do adversário é uma vergonha muito pior que a derrota – seja o placar 4 a 0 ou 7 a 1.


Fonte: G-1