Sites Grátis no Comunidades.net Criar um Site Grátis Fantástico
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.9/5 (92 votos)




ONLINE
3





Partilhe esta Página



 

Previsão do tempo

 


Marcelo Auler e a lama da Lava-Jato
Marcelo Auler e a lama da Lava-Jato

Marcelo Auler e a lama da Lava-Jato, esquecida pela imprensa

grampo

Quem é jornalista no Rio de Janeiro sabe disso: se o repórter  Marcelo Auler se dispõe a investigar alguma coisa, ele vai fundo e sem medo.

Ontem, ele publicou algo que os nosso atual “jornalismo investigativo” –  feito à base do vazamentos de  policiais e de procuradores da Lava-Jato, que naturalmente contêm a versão que lhes interessa – não faz: mergulhar nas entranhas do jogo de poder, vaidades e sabe-se lá do que mais que se instalou, em Curitiba, no lado escuro dos holofotes da notoriedade dos homens que dizem estar “salvando o Brasil”.

É a história do “grampo que não grampeava” colocado na cela de Alberto Youssef, desde sua chegada à carceragem da PF.

Trabalho meticuloso e prudente, que não se preocupa em acusar, mas em esquadrinhar todos os elementos sórdidos desta história.

Lava Jato revolve lamaçal na PF-PR

Marcelo Auler

Ao mesmo tempo em que a Operação Lava Jato desvenda, como jamais fizeram nesse país, velhos esquemas de corrupção que sempre nortearam as relações de grandes empresas com governos e políticos – independentemente de coloração partidária –, também revolve um lamaçal no qual a Superintendência Regional do Departamento de Polícia Federal no Paraná  (SR/DPF/PR) e alguns de seus policiais poderão se atolar.

As disputas, seja pelo poder ou motivadas por vaidades pessoais, que a grande imprensa tem deixado de lado, serão expostas de forma ampla na próxima semana (24 a 28 de agosto) quando alguns de seus protagonistas se apresentarem à CPI da Petrobras, na Câmara dos Deputados.

Reprodução

Tais desentendimentos tendem a se acirrar com a confirmação de pelo menos uma das muitas denúncias contra a atual administração da SR/DPF/PR e os delegados da Força Tarefa da Operação Lava Jato.

Ofício encaminhado à CPI da Petrobras pelo delegado Alfredo José de Souza Junqueira, coordenador de Assuntos Internos (Coain) da Corregedoria do DPF, confirma o que muitos já diziam há tempos: o grampo encontrado, em abril passado, na escada da superintendência, usada como fumódromo, não teve autorização judicial. (veja ao lado) Portanto, é ilegal.

A Coain investiga ainda o grampo achado em abril de 2014, na cela do doleiro Alberto Youssef, preso na primeira fase da Operação Lava Jato que hoje contabiliza 18 operações.

O que se tenta descobrir é se ele estava ou não ativado, pois já se sabe que não existia autorização do juízo para o seu uso.

Oficialmente, com base na sindicância 04/2014, presidida pelo delegado Maurício Moscardi Grillo (chefe do Grupo de Investigações Sensíveis – GISE), a superintendência diz que o aparelho localizado na cela era antigo e não funcionava. O resultado desta investigação interna foi acatado pelo Ministério Público Federal e pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Criminal Federal, onde tramitam os processos da Lava Jato na 1ª instância. Mas ele é contestado por muitos policiais.

Continue lendo no blog do Auler.