Sites Grátis no Comunidades.net Criar um Site Grátis Fantástico
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.9/5 (92 votos)




ONLINE
3





Partilhe esta Página



 

Previsão do tempo

 


JUSTIÇA SUSPENDE DECISÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS
JUSTIÇA SUSPENDE DECISÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Política

Sexta-feira, 14 de junho de 2013 - 09:42

Lei valendo

JUSTIÇA SUSPENDE DECISÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS SOBRE APOSENTADORIA DE EX-GOVERNADOR

O desembargador Raduam Miguel Filho reviu a decisão do Tribunal de Contas (TCE), que determinou a suspensão do pagamento de pensão mensal a um ex-governador do extinto Território Federal de Rondônia. Várias decisões do próprio Tribunal de Justiça validam o benefício, mas em abril último o TCE inovou e mandou cancelar o benefício. Trata-se da aposentadoria do ex-governador Humberto da Silva Guedes, que governou Rondônia entre 1975 e 1979.

O ex-governante, assim como outros 14 ex-governadores ou parentes, recebem R$ 23.052,31 mensalmente. A aposentadoria foi considerada afronta pelo TCE, que no entanto, paga o mesmo valor para seus ex-membros. “A Concessão de pensão mensal a ex-governador afronta o equilíbrio federativo e os princípios da igualdade e moralidade”, decidiu a corte de contas no julgamento do caso.

A retirada do benefício foi vetada pelo desembargador, argumentando a existência de decisões que beneficiam o impetrante. “A bem dizer, e por amor ao argumento, conquanto possa parecer imoral e desarrazoado o direito a objurgada pensão, é fato que as normas instituidoras gozam, por ora, de plena vigência. Não se ignora o fato de haver no e. Supremo Tribunal Federal o processamento da ADI n. 4546, que tem por objeto a declaração de inconstitucionalidade do art. 64 da Constituição Estadual, dos arts. 1º e 2º da Lei n. 50/85 e do art. 2º da Lei n. 276/90, os quais garantem a concessão de pensão a ex-governadores de Rondônia. Todavia, o Min. Relator, Joaquim Barbosa, não suspendeu a eficácia das normas em comento.”

Outro fato que chamou a atenção do julgador ao suspender a decisão do Judiciário, é que o Tribunal de Contas conta com dispositivo que pode impedir a execução imediata de suas decisões, “por isso que eventual cumprimento do ato dito coator deveria aguardar o trânsito em julgado, o que ainda não ocorreu, pois interposto o recurso, como se vê às fls. 38/41.”

Fonte: RONDONIAGORA

Autor: RONDONIAGORA