Sites Grátis no Comunidades.net Criar um Site Grátis Fantástico
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.9/5 (92 votos)




ONLINE
4





Partilhe esta Página



 

Previsão do tempo

 


Dormir de lado "limpa o cérebro"
Dormir de lado "limpa o cérebro"

Dormir de lado "limpa o cérebro" e pode evitar doenças como Alzheimer

Paula Moura
Do UOL, em São Paulo (SP)

  • Getty Images

Cientistas da Universidade de Stony Brook, nos Estados Unidos, descobriram que dormir de lado ajuda a diminuir as chances de desenvolver Alzheimer, Parkinson e outras doenças neurológicas. Segundo o estudo, publicado no "Journal of Neuroscience", o cerébro consegue eliminar resíduos com mais eficiência quando se dorme nesta posição do que de costas ou de bruços. A pesquisa foi realizada em ratos, cujo cérebro é similar ao dos humanos.

O cérebro tem um sistema complexo para limpar soluções químicas prejudiciais que funciona de forma parecida com o sistema linfático, denominado de "sistema glinfático" por pesquisadores da Universidade Rochester em 2012. Este sistema possui uma espécie de "encanamento" para fazer a "drenagem" de substâncias indesejadas. O nome vem das células glia, do cérebro, que administram este sistema. Cientistas de Rochester também ajudaram no estudo.

"Com essa descoberta, acreditamos que a postura do corpo e a qualidade do sono devem ser consideradas nos diagnósticos e ajudar no entendimento sobre a limpeza de proteínas prejudiciais ao cérebro que podem contribuir ou causar doenças neurológicas", afirmou Helene Benveniste, da Universidade de Stony Brook. Ela lembra que, apesar da descoberta, ainda é preciso fazer testes em humanos. Helene e seus colegas usaram ressonância magnética de contraste dinâmico para observar esse sistema.

Os resíduos do cérebro incluem amiloides e proteínas tau, substâncias químicas que afetam o processamento do cérebro de forma negativa quando se acumulam. Já os cientistas da Universidade de Rochester contribuíram usando microscopia fluorescente e marcadores radioativos para validar os dados da ressonância e analisar a influência da postura na eliminação de amiloides do cérebro.

A posição de lado para dormir é a mais comum entre os humanos e muitos animais. "É interessante que a posição lateral para dormir já é a mais popular nos humanos e na maioria dos animais - mesmo os selvagens - e parece que nós nos adaptamos à posição justamente para limpar nosso cérebro com mais eficiência dos resíduos metabólicos que produzimos quando estamos despertos", diz Maiken Nedergaard, da Universidade de Rochester.

Segundo ela, o estudo dá subsídio ao conceito de que dormir tem uma função biológica distinta de 'arrumar' a bagunça acumulada enquanto estamos despertos. "Muitos tipos de demência estão ligados a distúrbios do sono, inclusive dificuldades em começar a dormir. Também está aumentando o conhecimento de que os distúrbios do sono podem acelerar a perda de memória na doença de Alzheimer. Nossa descoberta traz um novo insight sobre o assunto ao mostrar que a posição em que você dorme é importante", explica.

Ampliar

Conheça alguns mitos e verdades sobre alzheimer15 fotos

1 / 15
O primeiro sintoma do alzheimer é a perda da memória MITO: não é apenas a perda da memória que sinaliza o alzheimer. A doença atinge inicialmente a parte do cérebro que controla a linguagem, a memória e o raciocínio, outros sintomas podem indicar sua chegada. "Esquecimentos persistentes de fatos recentes, recados, compromissos, dificuldades com planejamento de atividades, cálculos, controle das finanças, desorientação no tempo e no espaço, dificuldade de executar tarefas rotineiras e alterações de comportamento (como comportamentos inesperados, inadequados, incomuns para aquela pessoa) são os primeiros sinais da doença de alzheimer", explica o psiquiatra Cássio Bottino, professor do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e diretor científico da Associação Brasileira de Alzheimer (Abraz) Leia mais Getty Images