Corrupção no Futebol

Ministério Público acusa ex-dirigente da Fifa de receber quase R$ 350 mil

  Alejandro Ernesto/Efe  
Julio Rocha era o presidente da federação de futebol da Nicarágua
Julio Rocha era o presidente da federação de futebol da Nicarágua

O Ministério Público da Nicarágua confirmou que Julio Rocha, um dos sete ex-dirigentes da Fifa detidos na Suíça por acusações de corrupção, foi indiciado no país por lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito.

Rocha foi presidente da Federação da Nicarágua de Futebol (Fenifut) e do Comitê Olímpico do país entre 1997 e 2009. Em 2012, assumiu o departamento de desenvolvimento da Fifa.

De acordo com as investigações, Rocha assinou um contrato de direitos de transmissão de partidas de futebol com a empresa Traffic Sport USA, pelo qual supostamente recebeu um suborno de 100.000 dólares (aproximadamente R$ 350 mil)

O governo da Nicarágua solicitou em 13 de agosto à Suíça a extradição de Rocha para julgá-lo com base nas leis nacionais.

Na última sexta-feira (14), o ministro da Justiça da Suíça aprovou a extradição do suspeito no escândalo de corrupção da Fifa a Nicarágua. Os Estados Unidos podem, porém, bloquear o processo visto que já pediram que o suspeito fosse para o território americano e que precisam consentir que Rocha vá para casa.

Rocha está detido desde o dia 27 de maio, quando o FBI fez uma operação em um hotel em Zurique em maio. Entre os presos está o ex-presidente da CBF José Maria Marin.