Rádio Evangelizar

Rádio Evangelizar

 

 

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 3.0/5 (47 votos)




ONLINE
5








 

Previsão do tempo

 


Após morte de criminoso, comércio e escolas fecham

23/05/2013 10h37 - Atualizado em 23/05/2013 12h41

Após morte de criminoso, comércio e escolas do Alemão são fechados

Secretaria municipal de Educação confirma fechamento de escola.
Morte de suspeito aconteceu após troca de tiros com PMs.

 

Do G1 Rio

 
89 comentários
Comércio amanheceu fechado após morte de traficante na noite de quarta (22) (Foto: Guilherme Pinto / Agência O Globo)Comércio amanheceu fechado após morte de traficante na noite de quarta (Foto:Guilherme Pinto / Ag. O Globo)

Após a morte de um criminoso na noite de quarta-feira (22) no Conjunto de Favelas do Alemão, na Penha, Zona Norte do Rio, o comércio da região e algumas escolas amanheceram fechados na manhã desta quinta (23). De acordo com o chefe do comando das UPPs, coronel Paulo Henrique, o comércio da Vila Cruzeiro também estava fechado na manhã desta quinta.
 

Em entrevista à Rádio CBN, o coronel Paulo Henrique disse que o fechamento do comércio e das escolas nas comunidades se deve à "demonstração do descontentamento dos traficantes de drogas com a ação da polícia". "São décadas de domínio do crime organizado e a cultura do medo [por parte dos moradores e comerciantes] ainda permanece", disse o coronel.

Comércio fechado na Rua Joaquim de Queiroz (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1)Comércio fechado na Rua Joaquim de Queiroz (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1)

O chefe do comando das UPPs afirmou ainda que "a polícia está tentando alterar a rotina dessas pessoas, mas que isso [a alteração] não se dá de um dia para o outro".

A secretaria de Educação confirmou, por volta das 10h40, que a Escola Municipal Mourão Filho, na Rua Maquinista Aristóteles Ferreira, está fechada.

Uma aluna da Escola Estadual Jornalista Tim Lopes contou ao G1 que os moradores receberam um toque de recolher com a informação de todos teriam que estar em casa até 12h. A diretora da instituição disse que a escola está aberta, mas não informou se as aulas estão confirmadas.

O comércio próximo a Rua Joaquim Queiroz, principal acesso da Grota, está fechado. O posto de cadastramento do Bolsa Família, ao lado da Estação Alemão do teleférico, interrompeu o atendimento às 9h.

Na noite de quarta, um homem morreu após troca de tiros entre policiais militares e criminosos da região. O tiroteio teria começado depois de o rapaz passar, em grupo, na frente de agentes do Regime Adicional de Serviço (Ras) em uma localidade considerada estratégica pela polícia, já que dá acesso a diversos lugares do conjunto, conhecida como Cufa.

Ainda de acordo com a polícia, a perseguição seguiu até a região do Areal, onde o rapaz foi baleado. No tiroteio um homem, identificado como Anderson Simplício de Mendonça, de vulgo ‘Orelha’, de 29 anos, foi baleado e socorrido pelos policiais que o levaram para a UPA do Alemão, mas ele não resistiu aos ferimentos e morreu. Com Anderson foi apreendido um revolver 38, 2 cartuchos de AK 47, 20 munições do calibre 7,62 e 8 do calibre 38. O caso está sendo investigado pela 22ª DP (Penha).

O policiamento foi reforçado dentro da comunidade e nos arredores do Complexo do Alemão. Policiais montaram blitzes e fizeram revistas.

Armamento
Quanto às armas nas comunidades, o coronel Paulo Henrique disse que a polícia ainda faz varreduras e que não se pode fechar os olhos para a entrada de armamento nas comunidades.

Como mostrou o RJTV, os confrontos entre bandidos e policiais no Complexo do Alemão têm sido frequentes nos últimos meses. No início de maio, um traficante morreu depois de trocar tiros com policiais na localidade conhecida como Pedra do Sapo. Em março, PMs da UPP também foram alvo de disparos de criminosos na mesma região. Na época, ninguém ficou ferido e não houve prisões. A situação tem deixado a população apreensiva. “Eu só queria uma solução, a gente não aguenta mais isso”, contou uma moradora.